quarta-feira, 20 de julho de 2016

Em busca do resultado imediato

Durante meu tratamento psiquiátrico, uma das coisas que mais me atrapalhou foi a falta de paciência de esperar os remédios fazerem efeito. Eu ficava deitada, prostrada, escondida no meu quarto, esperando os dias passarem e eu sentir algo diferente, me sentir melhor, sentir que eu estava viva e podia ter uma vida normal. Não foi um processo fácil e demorou vários meses até os remédios começarem a agir e a vida tomar seu curso. Foi lento, um dia de cada vez. Mas a minha falta de paciência era enorme. Eu ficava inconformada de como tudo era devagar. E até hoje, se tiver que trocar de remédio, por exemplo, tenho certeza de que me sentirei do mesmo jeito.

O mesmo está sendo esta espera da cirurgia, que ainda não tem data marcada. Hoje farei o primeiro grande exame, a endoscopia. Um grande passo para a humanidade. Sinto a mesma coisa de quando estava mal psiquiatricamente falando, uma falta de paciência, uma dor pela antecipação da demora, a vontade de fazer o tempo correr mais rápido.

Estou fazendo parte de vários grupos de apoio e sei que a pressa é a inimiga da perfeição, e todo mundo diz para ficar tranquila, tem gente esperando há dois anos para ser operada, tem gente que precisa passa 8, 9, 10 vezes no psicólogo para ter o laudo liberado. Então eu posso me sentir privilegiada, pois sei que os médicos pelos quais eu passar me darão o laudo no mesmo dia, e aí é só terminar os exames.

Mas aquela pontinha de impaciência insiste em ficar. Não é fácil ser assim.