quinta-feira, 14 de julho de 2016

Doente mental cortando o estômago

Pois é. Ouvimos tanto falar em pessoas fazendo cirurgia bariátrica, até que chega a nossa vez. 

Fui ao consultório de um gastro que fez uma cirurgia em uma pessoa conhecida, amiga de um primo. O resultado foi excelente e ele operou pelo convênio. Ao chegar lá, me pesei. A balança marcou 103 quilos. Eu nunca imaginei NA MINHA VIDA que fosse chegar aos 3 dígitos. Nunca fui magrela, mas sempre estive na faixa dos 60. Engordar 40 quilos não é algo normal. Foi resultado de muitos problemas psicológicos. Não foi relapso, nem falta de vontade, nem safadeza, nem largação. Foram remédios que me deram compulsão, que aumentaram meu apetite, foram doenças psicológicas que me deixaram de cama, sem vontade de me exercitar. Foi a vida de uma doente mental.

E aqui estou eu: correndo atrás de exames e consultas médicas para fazer o pré-operatório da cirurgia. Vou fazer o que chamam de Gastrectomia Vertical, quando se corta o estômago e o deixam em forma de um tubo resistente, com o tamanho entre 180-200ml - ou seja, um copo de requeijão. E esse será o tamanho do meu estômago para o resto da minha vida.

Confesso que estou com medo, já estou tentando mudar hábitos, comer menos, mas não está sendo fácil. Vou precisar muito do apoio do meu psiquiatra e da minha psicóloga, que já autorizaram o procedimento. Além deles, vou passar por uma nutricionista, um cardiologista e um endocrinologista (que foi meu namorado há mais de vinte anos e será bem desagradável ele me ver com mais de 100 quilos). Mas deixado o orgulho de lado, médicos e mais médicos, exames e mais exames, com a finalidade de me deixar não só mais magra, mas também mais saudável. 

Tenho esteatose (gordura) no fígado, meu colesterol está acima do teto - o aceitável é até 170 e o meu está 263... meu triglicérides também não é animador - o desejável é até 150 e o meu está 238. Sou candidata a desenvolver diabetes tipo 2 (meu pai teve). Ou seja, o cenário não é animador de maneira alguma.

Então cá estou eu, cagando de medo do futuro, mas super determinada. Essa semana vou fazer um ecocardiograma, na semana que vem uma endoscopia, passarei pelo cardiologista e pelo endocrinologista (tudo médico particular e depois eu peço reembolso). Ainda falta um eletrocardiograma e um raio X do tórax.

E como uma paciente psiquiátrica vai aguentar tudo isso? Não sei. Vamos ver. Preciso saber lidar com a minha ansiedade acima de tudo. Estou com medo. Mas preciso prezar pela minha saúde.