quarta-feira, 25 de maio de 2016

Vivendo na expectativa

Ando numa fase de expectativas. Por mais que eu não queira. Expectativa de conseguir um trabalho. Expectativa de emagrecer. Expectativa de conhecer amigos novos. Expectativa de conhecer um amor. 

Quem não tem expectativas? Dizem que fazem mal pra saúde. Mas como viver sem elas?

Vou confessar que não sei lidar bem com expectativas. Fico ansiosa. Às vezes tenho que tomar calmante. Choro. Fico perdida. Sou impulsiva demais, não dou tempo ao tempo.

Mas vamos recapitular: fiquei quase quatro meses em estado depressivo impulsivo suicida profundo, esperando os remédios fazerem efeito. Foi preciso muita paciência. Saber lidar com expectativas, ser menos impulsiva. Sofri feito uma condenada. A vida não tem prepara para essas coisas. 

Quando somos pequenos, nos dizem que vamos trabalhar, ganhar a vida, casar, ter filhos, ter netos, ficar velhos e morrer. Ninguém fala em doenças, em rompimentos, em erros, em expectativas, em impulsividades, em remédios sem fim. Ninguém nos prepara para a morte, seja ela quando acontecer. Todo mundo só quer te ver feliz e quer ser feliz e finge que está tudo bem, joga tudo debaixo do tapete e segue vivendo como se nada estivesse acontecendo.

E quem NÃO CONSEGUE fazer isso? Quem é superlativa, exagerada, louca varrida com a vida? Que chora quando leva pé na bunda ou perde o emprego? Que não aguenta esperar as coisas acontecerem e quer uma resposta imediata? Ninguém nos ensina isso. 

Também sou gente. Estou aqui lutando. A única diferença é que falo sobre minha vida. Conto tudo. Nos mínimos detalhes. Porque eu quero compartilhar. Porque é importante pra mim compartilhar. Por que ninguém ensina?