quarta-feira, 6 de abril de 2016

Troca de experiências

Quando eu abri uma página de comunidade no Facebook, há dez dias, não imaginei que depois de tão pouco tempo eu já teria 13 mil seguidores. É gente que sofre como eu, que está deprimida, não tem com quem conversar, ou precisa apenas de uma palavra de incentivo.

Claro que tem muitos beatos dizendo que minha cura só é possível através de Jesus, sem o mínimo respeito se eu tenho alguma religião, ou não. Mas na maioria é gente buscando informações, querendo uma mão estendida.

Atualmente estou numa fase da doença que estou caminhando passinhos pequenos todos os dias. Que cada coisa que consigo fazer é uma pequena vitória. Hoje consegui caminhar 15 minutos, mas amanhã não sei como será.

O fato de ter uma rede com mais de 13 mil pessoas interessada no assunto mostra o quão pouca informação temos e como existe pessoas desinformadas, ou que querem apenas um dedo de prosa. Pra mim está sendo uma lição, uma troca, conversar com gente tão diversificada, de todos os lugares do Brasil, que sofrem diariamente, sabem o que é ser discriminado por uma doença...

Muitas vezes escuto dos outros que não posso ficar com o "estigma" de ser a moça depressiva. Mas é quem eu sou, não dá pra separar quem eu sou da doença, pois essa sou eu. Dá pra entender? Estar bem ou mal é uma questão de balanço químico do meu cérebro. Mas essa sou eu, sem tirar nem por. E eu gosto de compartilhar com os outros, e mostrar que não estou sozinha.