quinta-feira, 24 de março de 2016

É dando que se recebe

Quem já não ouvir a expressão "é dando que se recebe"?

Eu tenho sentido isso na pele.

Já doei muito na minha vida. Roupas, objetos, dinheiro, quando me foi possível. Ultimamente estou fazendo parte de alguns grupos no Facebook para doação de remédios (tudo certinho, com receita) e já ajudei três pessoas.

E venho colhendo os resultados dessa vibração positiva: é recebendo uma compra de supermercado anônima, ou um amigo ajudando com a compra dos meus remédios, ou até mesmo uma amiga que trabalha numa loja de artigos plus size trazendo roupas para eu experimentar.

É a corrente do bem, que é mais forte do que nunca!

Entre ontem e hoje pedi para várias pessoas compartilharem minha Vakinha (aqui: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/minha-vida-com-depressao) em suas timelines. O retorno só não foi 100% positivo, pois muita gente ainda se ressente com isso. Diz não quando não custa nada. Mas deixa isso pra lá.

O importante foi ler as coisas lindas que escreveram pra mim. Como a jornalista Anna França, ex-Gazeta Mercantil, que escreveu:


Falar sobre a depressão já é difícil, expor a sua dor pode ser ainda pior. Mas a jornalista Cléa Stolear se encheu de coragem e resolveu usar seu talento na escrita para colocar para fora tudo aquilo que lhe atormenta. 

Vale a pena ler seu blog "Minha vida com depressão "http://minhavidacomdepressao.blogspot.com.br/.


Ou ainda a amiga Luciana Klar, que escreveu: "oi Pessoal. depressão é coisa séria, perigosa até. E pode acontecer a qualquer um. Poucos são os que tem a coragem de se expor e a exposição é ao mesmo tempo uma forma de alerta para a doença e uma forma de pedir auxílio. Infelizmente não são todos que conseguem conviver com a doença e já conheci quem abrisse mão da vida. Infelizmente há preconceito e aqueles que ridicularizam quem sofre deste mal.

Nâo podemos nos omitir". 


E a amiga Tatiane Lima que ajudou a divulgar o blog, com o texto "350 milhões de pessoas vivem com depressão no mundo. É uma doença muito difícil e limitante. A Cléa Stolear criou uma página para explicar como é. Quem quiser conhecer, compreender e ajudar é só acompanhar.

Me sinto honrada pelas amizades e pelos compartilhamentos e gostaria de deixar aqui o meu OBRIGADA!!!