terça-feira, 7 de julho de 2015

E, de repente, a luz....

Ontem, quando acordei, uma luz bem fraquinha começou a brilhar no meu horizonte. Ela era fraca, mas emitia um calor gostoso, que me fez levantar com uma sensação de.... melhora. Sim, pela primeira vez em muito tempo, acordei sem o olho pesado com vontade de chorar. 

E aí... depois de adiar por uma semana, consegui entrar no carro, e ir até a escola de yoga que eu tanto queria me matricular - pelo menos neste mês de julho. Fui, paguei o mês, entrei na sala e... SOCORRO, QUEM É ESSA ELEFOA BRANQUELA??? Levei um susto ao ver meu tamanho, a calca de ginástica apertada, o collant preto apertado, e meu braço? O que era aquilo, uma árvore molenga? Afe. Respirei fundo. Coloquei meu tapetinho perto do espelho (que era pra eu me olhar mesmo e acreditar no que eu tava vendo), deitei e fui me aclimatando... sim, porque escolhi fazer a Bikram Yoga (sorry Greta*), uma vertente na qual a sala é aquecida em 40 graus Celsius.

Uma hora de aula. Meu corpo todo doía. Tudo travado, sem força. Eu me olhava no espelho e pensava "vai, você consegue!!!!!". E eu consegui fazer uns... 60% da aula. Quando a coisa não ia, eu sentava, tomava um gole de água e esperava a força voltar. Consegui. A aula acabou. Tomei um banho e voltei pra casa com uma sensação tão boa depois de tanto tempo que quase chorei. Mas não chorei. 

Enfim... a luz está aos poucos começando a brilhar... mesmo no dia feio, chuvoso, nublado, frio. Os passos são super pequenos. Mas cada dia de uma vez. Hoje eu comemoro ter acordado toda dolorida. Que delícia. Sentir que eu tenho musculatura!!!! Essa elefoa branca aqui está começando a melhorar.... :)

* Muitos professores de yoga não curtem a prática feita em sala aquecida, muito menos essa técnica específica criada pelo Bikram, que é um cara controverso. Mas sabe quando seu corpo pede essa aula específica? Respeitei meu corpo. Ele pediu o calor nesse frio. O suor. E eu atendi o meu desejo interno. A Greta Hill foi minha primeira professora de yoga na vida e plantou a semente da yoga em mim. A ela sou muito grata, por sua gentileza, suas palavras sábias, sua beleza, sua maneira de ensinar, seu cuidado e carinho. Infelizmente, ela, que é californiana, foi morar em NY em janeiro do ano passado. Mas de vez em quando ela dá a felicidade da sua presença por aqui.