segunda-feira, 29 de junho de 2015

Depressão ainda é tabu

Há algumas semanas, meu melhor amigo me respondeu no whatsapp quando eu disse que não estava bem e achava melhor ser honesta sobre isso no trabalho e me afastar para me tratar: "não fale que você tem depressão, ninguém gosta de gente deprimida. não deixa ninguém perceber e vai levando".

Primeiro, reavaliei essa amizade e não o considero mais meu melhor amigo, pois como alguém que deveria te apoiar e te entender te fala uma coisa dessa? Segundo, fiz exatamente o oposto: mandei um e-mail para o diretor da empresa onde trabalho e abri o jogo. E não poderia ter feito coisa melhor.

O tratamento que estou recebendo no meu trabalho é uma exceção. A minha depressão não é de hoje e essa não é minha primeira crise, e já fui muito discriminada por isso. Porque depressão não se enxerga, não aparece em ressonância magnética, não aparece em exame de raios X nem de sangue. Então, como provar que estamos doentes? Existe um grande tabu sobre o deprimido. É uma pessoa chata, sempre triste, sempre resmungando, sempre de mau humor, sempre pra baixo e ninguém quer alguém assim ao lado. Mas o que ninguém sabe é que essa pessoa está assim de maneira involuntária. Acredito que exista gente que curta estar pra baixo e essa seja uma maneira de chamar atenção. Mas "estar pra baixo" é proposital, a pessoa quer se fazer de vítima. O deprimido está como está porque tem uma alteração neurológica, que muitas vezes só é resolvida com remédios e também terapia. 

Não sou médica, nem especialista no assunto do ponto de vista acadêmico, mas sou expert nos sentimentos do deprimido. Estamos vivendo uma guerra interna minuto a minuto, com alterações de humor, com vontades de sumir e outras de ficar, com vontade de se esconder, não falar com ninguém, mas também ao mesmo tempo precisando de carinho, proteção, amor, apoio. Só que é MUITO difícil fazer com quem está ao redor entenda. MUITO. DEMAIS DA CONTA. 

Às vezes acho que seria mais fácil eu ter algo mais palpável para que eu pudesse mostrar que estou doente e que as pessoas ao meu redor entendessem. Pode ser uma grande bobagem dizer isso, mas é verdade!

Ao longo dos anos, sei que perdi amigos, namorados e empregos por conta da minha depressão. Durante muito tempo fiquei triste com isso, me questionando o que eu poderia ter feito de diferente. Nada!!!! Não existe nada que eu pudesse ter feito de diferente. 

E como será minha vida daqui pra frente? Não dá pra prever. Se eu quero ficar boa? CLARO! Estou num estágio da doença que quero melhorar (versus o começo da crise, que eu queria sumir do mapa). Isso já é sinal de melhora. Vou ficar melhor? Tenho certeza que sim, como muitas vezes. Nesse meio tempo conhecerei pessoas que não sabem da minha doença e não saberão se ela não voltar. Mas caso perguntem, não terei problema algum em contar sobre o que é e como me sinto.

O importante é que a depressão deixe de ser tabu. Que as pessoas deixem de incentivar quem está doente a se calar, a esconder seus sentimentos, por ser uma doença incompreendida. Dependendo da gravidade do caso, isso pode ser a sentença de morte daquela pessoa. Se é uma doença incompreendida ainda - e olhe que até nos Estados Unidos já aprovaram o casamento independentemente de gênero, o que era um dos maiores tabus do país (mas essa é outra história), vamos educar a sociedade a entender o deprimido. Eu estou fazendo minha parte.